#Cidades

Árvore da Andiroba

Atualizado em 13 de Janeiro de 2018 escrito por William Costa
Foto: Divulgação / Embrapa

A árvore da Andiroba (Carapa guianensis Aubl) é de crescimento rápido, e chega até 30 m de altura, de casca grossa e amarga. Encontrada freqüentemente formando associações. Espécie de grande valor pela abundância e teor oleaginoso de suas sementes e largo uso de sua madeira. Caracteriza-se pelas grandes folhas pinadas, escuras e pendentes. Possui quase sempre tronco ereto, cilíndrico sem defeito. Floresce de setembro a dezembro e frutifica de fevereiro a julho.

É freqüente no litoral norte do Estado do Pará, ilhas e baixo Tocantins até o Estado do Maranhão. Em toda a Amazônia, nas matas de várzea e nas faixas alagáveis ao longo dos rios e igarapés.

Excelente para saboaria e iluminação, usado ainda na medicina indígena, associado ao “urucu” como preventivo às picadas de insetos e penetração do “bicho-de-pé”. A casca, como as folhas, depois de cozidas são utilizadas como febrífugo e anti-helmínticas ou para lavagem das úlceras, contra impetigo e outros doenças. Utilizada também na marcenaria, construção civil e naval, compensados, móveis, caibros, caixaria fina, canoas, esquadrias, obras internas, coronha de armas, mastros, falcames e bancos de embarcações. É considerada como madeira resistente ao “Gusano”.

Comentários