#Cidades

Boto

Atualizado em 12 de Janeiro de 2018 escrito por Diego Oliveira
Foto: Chico Batata/Cedida

Os botos são conhecidos por serem brincalhões como os golfinhos e pertencem à subordem dos Odontocetos. Alimentam-se de peixes, lulas e crustáceos, os quais conseguem engolir sem mastigar. Eles têm olhos pequenos e não enxergam muito bem. Para se comunicar e se guiar eles emitem gritios finos e prestam atenção ao eco dos sons na água. Os pêlos do bico também ajudam, pois tem função de tato e de direção, ou seja, servem para o boto saber para onde está indo e sentir o que vem pela frente.

Há uma grande procura pelos olhos do boto cor-de-rosa, considerados amuletos de amor: as pessoas acreditam que quem tem um olho desses arranja namorado ou namorada fácil. Um dos mais conhecidos é o boto-cor-de-rosa, única espécie da família dos Inídeos, que vive exclusivamente nos rios da bacia amazônica e do Orinoco. Atinge um comprimento máximo de 2,5 m e seu peso pode ultrapassar os 160 quilos. Com a idade, a coloração geral clareia, tornando-se rosada. Os adultos, principalmente os machos, podem se tornar inteiramente cor-de-rosa, quase vermelhos.

O nome de boto-cinza é dado a um membro da família dos Delfinídeos, a mesma dos golfinhos, só é encontrado apenas na América do Sul e parte da América Central e apresenta-se em duas formas: fluvial e marinha. Uma espécie que às vezes é confundida com o boto-cinza é a franciscana, pequeno cetáceo da família dos Pontoporídeos (alguns autores a classificam como família dos Platanastídeos), também conhecida como boto-cachimbo.

Comentários